Prefeitura Municipal da Estância turistica de Paraguaçu Paulista

Região tem 5 casos de macacos mortos, um é em Paraguaçu

A Vigilância Epidemiológica divulgou nesta quarta-feira (17) que um macaco foi encontrado morto no dia 11 de janeiro em Cândido Mota (SP). Segundo a prefeitura, um morador entrou em contato e informou onde o animal estava, em um matagal na divisa da cidade de Cândido Mota com Palmital.

Uma equipe de Cândido Mota foi até o local e recolheu o animal que, ainda de acordo com a Vigilância, estava morto há dias. O primata foi encaminhado ao Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para análise. No total, cinco macacos foram encontrados mortos na região este mês. Um em Cândido Mota, dois em Marília, o primeiro no dia 6, na zona leste da cidade e o segundo nesta terça-feira, dia 16, as margens de uma estrada rural, um caso em Tarumã, na zona rural e um em Paraguaçu Paulista, na zona rural, bairro São Matheus.

De acordo com a diretora de Saúde do município, Cristiane Bonfim, a preocupação do departamento em relação a febre amarela e sobre os casos de mortes de macacos na região é grande. “A Vigilância Epidemiológica já foi até o local e colheu material do macaco morto. Esse material já foi encaminhado para o Instituto Adolfo Lutz, só que o resultado sai em 30 a 40 dias. Também já foram tomadas as medidas do protocolo que são a eliminação de criadouros na área. A equipe já foi até o local e orientou todos os moradores daquela área. É muito importante enfatizar que no ano de 2017, Paraguaçu fez uma Força Tarefa, em janeiro e fevereiro, contra a febre amarela. A nossa equipe foi em toda zona rural. A cobertura da febre amarela no nosso município é muito grande. Todas as Unidades de Saúde têm a vacina da febre amarela. Não tem porquê a população se desesperar”, ressalta.

Ainda segundo a diretora, a vacina contra a febre amarela é tomada uma única vez durante a vida. “É muito importante olhar a carteira de vacinação pra ver se tomou. Quem tomou, não vai tomar segunda dose. Diferente do que está acontecendo em algumas regiões do estado de São Paulo que a vacina está sendo fracionada para atender o maior número de pessoas, aqui não. Aqui temos a dose única, mas só para quem não tomou. Quem tomou já está imunizado. Outra coisa importante que temos que lembrar, é que temos que eliminar criadouros. A febre amarela é outra doença causada pelo Aedes Aegypti. O único jeito de eliminar essas doenças, zica, chikungunya e agora febre amarela, é eliminando criadouros, é limpando os quintais casa a casa. O macaco é unicamente o hospedeiro, não temos que maltratar os macacos, pelo contrário, temos que observar o animal porque ele é o primeiro a dar sintomas e sinais se foi atingido pelo vírus da febre amarela. Todos esses macacos mortos na região, nenhum foi ainda detectado com o vírus da febre amarela. Todos já foram para o Adolfo Lutz, mas a preocupação é grande. Entretanto, a nossa cobertura, graças a Deus, é muito grande, devido a Força Tarefa realizada o ano passado. Digo mais uma vez, que não há porque se desesperar, vamos aguardar os resultados dos exames”, frisa a Cristiane.

A preocupação com a febre amarela é crescente. Nesta terça-feira a Organização Mundial da Saúde passou a considerar todo estado de São paulo como área de risco da febre amarela. A justificativa é que houve um aumento na atividade do vírus na região.

Sintomas

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Prevenção

Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

Foto meramente ilustrativa

Envie este albúm a um(a) amigo(a)

CIDADE
Conheça Paraguaçu Paulista
Histórico
Álbum de Fotos
Turismo e Passeio
Como Chegar
Símbolos Municipais
Calendário Mun de Eventos
SERVIÇOS
Canal do Contribuinte
Licitações
SINDSERV
ASP
ISS Web
SINPROM
ACESSO RÁPIDO
Câmara Municipal
Acervo Biblioteca Municipal
Maria Fumaça
Meio Ambiente
IMPRENSA
Agenda de Eventos
Concursos
Notícias
Publicações
Fale Conosco
P.A.S
Coméricio
Consultas

Prefeitura Municipal da Estancia Turistica de Paraguaçu Paulista - | Cep: 19700-000 | Fone: (18) 3361-9100

Copyright © 2013 | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por - Agencia Expression - Desenvolvimento de Sites